Panopticon

#6 Barking at the wrong door

Meus amigos, permitam-me uma pequena observação! Todas as palavras que estão em itálico é para encararem como se fosse a minha personagem a pensar em druídico. Ainda, eu não sei escrever muito bem portanto aceito feedback de vocês para melhorias! Espero que gostem!

Acordo com um peso na cabeça..dormir ao relento nunca foi problema, muito menos em cima de um fardo de palha mas estar dentro de cidades nunca foi o meu habitat predilecto. Se soubesse que iríamos andar por estas concrete jungles teria ficado em Aiwenore onde o contacto com a Natureza era directo. O que vale é que a minha curiosidade por resolver este enigma de zombies desperta o meu instinto feral de Druida do Circulo da Terra. É meu dever proteger os elementos e restaurar o equilíbrio!

Aproveito para meditar enquanto os meus companheiros não acordam. Preciso de trabalhar no meu balanço interior. Sou interrompido por barulhos vindos do compartimento adjacente. Reúno-me com os meus companheiros onde Yez, o halfling, nos brinda com um pequeno almoço peculiar de cerveja e pão. Não posso abusar da cerveja não vá acontecer o que aconteceu na taverna de Aiwenore. Durante a refeição irrompe o jovem Thuriel que apesar do seu swag e higher status mostra-se dedicado á nossa causa. Encontra-se bem disposto, repousado , limpo e satisfeito contrariamente ás restantes pessoas da mesma divisão revelando-nos onde esteve e como conseguiu pernoitar na cidadela onde precisamos de entrar e resgatar uma pessoa importante para Anouk e Yez. O plano para tal ainda não foi desenvolvido mas ouvi certos planos que envolviam uma catapulta e eu transformado em urso. Parvoíces…

Com base nesta informação Thuriel e Gawain vão á muralha da cidadela enquanto eu faço um pequeno aquecimento das minhas habilidades á entrada da casa de Yez. Consigo encantar um pequeno rato que me diz Cheese! Cheese!, rapidamente percebo que ele não me consegue dar informação mas regozijo-me com a sua inocência e dou-lhe um pedaço de queijo. Penso também que ás vezes gostaria que Epher se calasse com o seu deus e apenas dissesse coisas simples como Cheese . Ele e o seu deus por vezes dão-me dores de cabeça.

Assim que Ellensad e Thuriel voltam começamos a elaborar o plano para invadir a cidadela e chegámos á conclusão de que precisamos mais informação sobre esta. Para isso ofereci-me de acompanhar os nobres como sendo o cão de Thuriel e ajudar com os meus sentidos apurados a reconhecer key points que nos poderão ajudar. Yez, Anouk e Epher irão pelo túnel fazer um reconhecimento.

Mal chegamos ao portão da cidadela, Thuriel dialoga com os guardas trocando algumas ordens de comando. Ao que parece estes guardas não têm muito tacto para lidar com pessoas do exterior…deve ser por isso que estão no portão.
Tanto que começaram a insultar-me chamando-me dirty as fuck e mongrel o que despertou em mim a vontade de me transformar em urso e espetar-lhe uma boa galheta na beiça do menino, mas mal abriram o portão só me ocorreu mijar-lhe na bota. Prontamente levo um chuto no traseiro. THAT DOES IT! WILD SHA….

Thuriel interrompe metendo-se entre mim e o guarda e afastando-me com palavras bruscas e tomando responsabilidade pelo que fiz. Fez-me perceber que por momentos poderia ter dado cabo do nosso plano.

Já dentro da cidadela mantemo-nos juntos e vamos tentar uma audiência com o Rei. Somos afastados com burocracias apesar de todas as cortesias. Curiosamente diziam que o rei se encontrava ocupado e ,por uma janela, eu só conseguia ver um gordo sentado num trono a tirar macacos do nariz… De repente sinto que o meu tempo de transformação se encontra perto do fim, como não sei quanto mais tempo vamos ficar por cá é melhor encontrar um sítio escondido para tirar um short rest de modo a recuperar e poder transformar-me durante mais tempo. Olho em volta e encontro um arbusto denso que é capaz de cobrir a minha forma élfica. Enquanto Thuriel e Ellensad tratam do resto das burocracias eu vou para lá.

Passado uma hora e já recuperado reencontrei-me com eles perto de uma casa esquisita do qual me pareceu conter muitas pessoas lá dentro. Os meus companheiros entram e eu tenho de ficar no exterior. Pouco tempo passou quando vejo dois guardas a arrastar o que pareceu ser um prisioneiro. Ladro para chamar a atenção de Thuriel e Ellensad e por telepatia combinamos ir atrás deles. Conseguimos desta maneira fazer pinpoint a um supostos calabouços. Ellensad enjoado de entrar naquela casa sugere voltar a casa de Yez ao que me predisponho a acompanhá-lo. Thuriel ainda fica na cidadela pois ainda tinha uns assuntos para tratar.

Ao chegar a casa de Yez deparamo-nos com um grupo de aventureiros amigos do nosso anfitrião que não acham estranho eu transformar-me em elfo. Não devo ser o primeiro druida que eles encontram pela frente. Greetings noble ones, digo para toda a gente e Epher começa a tentar arranhar o que ele pensa ser druídico. Devido á sua dicção e sotaque acaba por me insultar no meu dialecto sem se aperceber. O resto dos amigos de Yez mostram-se indiferentes com a nossa discussão fútil. Mais tarde junta-se a nós Thuriel e Yez e assim começamos a delinear o plano final. Eu, Frederick, Gawain e os amigos de Yez somos destacados para o ataque frontal da Cidadela, enquanto Epher, Yez e Anouk são responsáveis por fazer um backdoor e infiltrarem-se no complexo nobre .

Ahh a batalha! Finalmente ! Vamos a isso! WILD SHAPE !

Comments

tiago_msag

I'm sorry, but we no longer support this web browser. Please upgrade your browser or install Chrome or Firefox to enjoy the full functionality of this site.